Passar para o Conteúdo Principal

Helena Mendes Pereira apresenta Bienais Internacionais de Arte de Cerveira (2009 a 2020): resiliências, crises e transformações”

24 julho   livro bienais   creditos fotografia lauren maganete 1 980 2500
2021/07/23

Está agendado para este sábado, 24 de julho, pelas 11h00, no Fórum Cultural, a apresentação do livro “Bienais Internacionais de Arte de Cerveira (2009 a 2020): resiliências, crises e transformações” da autoria de Helena Mendes Pereira. A publicação, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira e da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, dá continuidade ao trabalho editado pela Professora Margarida Leão, que revisitou as edições da Bienal Internacional de Arte de Cerveira de 1978 a 2007.

Esta nova publicação retrata o período entre 2009-2020, no qual há alguns factos históricos interessantes para compreender o espaço e o tempo de resiliência do projeto que se consubstancia na organização das Bienais Internacionais de Arte de Cerveira: crise financeira; Troika; Covid-19; mudança do organismo de gestão da Associação Projeto – Núcleo de Desenvolvimento Cultural para a Fundação Bienal de Arte de Cerveira; comemoração dos 30 e dos 40 anos do evento, de formas diferentes; a retoma da realização das BIAC em ano par; morrem Jaime Isidoro e José Rodrigues.

Além das sete edições das Bienais Internacionais de Arte de Cerveira (2009, 2011, 2013, 2015, 2017, 2018, 2020), o livro abrande também as exposições e principais eventos que tiveram lugar associados à ação da Associação Projeto e depois da FBAC ao longo destes 12 anos. Para a autora Helena Mendes Pereira, “este é um período de crises e transformações e, numa fase de mudança de ciclo, é o momento de fazer um ponto de situação, de repensar o futuro”.

A publicação considera o todo, com o mesmo caráter cronológico e documental, registo de todas as atividades e suas estatísticas, mas também será incluído um capítulo sobre o museu ao ar livre, ou seja, sobre as obras de arte em espaço público e que expandem a ação do “museu” para o território, tornando a própria vila num museu vivo e dinâmico. Existe ainda um capítulo com entrevistas a vários artistas, trabalho que a autora, Helena Mendes Pereira, tem vindo a desenvolver desde 2009 até ao presente e um capítulo de abordagem geral à coleção da FBAC.

Créditos Fotografia: Lauren Maganete

#cultura#arte#bienal
Gabinete de Comunicação