Passar para o Conteúdo Principal

“Vila Nova de Cerveira teve uma forte tradição vitivinícola que é preciso reacender”

 vila nova de cerveira teve uma forte tradi  o vitivin cola que   preciso reacender  1 980 2500
2015/05/11

O Município de Vila Nova de Cerveira e a Confraria dos Vinhos Verdes subscreveram, no passado sábado, um protocolo de colaboração em defesa da identidade, da cultura e da economia da região alto-minhota e, mais particularmente, do concelho cerveirense. Entidades relembraram a riqueza histórica de Cerveira associada à vitivinicultura e formalizaram uma parceria “perene e sólida” para o desenvolvimento futuro do setor.
A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira recebeu, pela primeira vez, a Confraria dos Vinhos Verdes que se associou à promoção do sável do rio Minho e lançou o desafio para a realização da iniciativa “Vinhos Verdes e Produtos Endógenos”, culminando com a assinatura de um protocolo de colaboração.
Proferindo uma mensagem de boas-vindas aos confrades, o autarca cerveirense mostrou-se satisfeito com a aproximação destas duas entidades e o trabalho que pode ser desenvolvido em conjunto. “Atualmente, Vila Nova de Cerveira não é uma terra com grande tradição vitivinícola, mas já o foi outrora, pelo que espero que, num futuro próximo, cerveirenses e não só, possam enveredar por essa via”, disse Fernando Nogueira. O edil evidenciou ainda as condições naturais propícias para o vinho, “um sector que potencia um grande desenvolvimento económico”.
O Grão-Mestre Dr. Mário Correia congratulou-se com a assinatura deste protocolo de colaboração que não só resolve “uma lacuna que a Confraria tinha em Cerveira ao nível de presença”, como revela um vasto trabalho já desenvolvido pela Confraria com o intuito de “ajudar Vila Nova de Cerveira a ser no futuro aquilo que foi no passado: um grande centro de produção vitivinícola”. 
Assegurando que a ‘Vila das Artes’ tem o direito de “honrar o seu passado de cultura de vinho”, o Grão-Mestre assumiu o contributo da Confraria em reacender uma “guerra” para colocar Cerveira no lugar a que pertence. “Vila Nova de Cerveira está dentro do espaço geográfico da Região Demarcada, mas não está inserida por isso, e a partir desta investigação, há muito que mexer na Demarcação das Sub-Regiões de Vinho Verde”, afirmou.
Durante a palestra intitulada “O Vinho e a Vinha em Vila Nova de Cerveira ao longo da sua história”, o Dr. Gonçalo Maia Marques fez uma resenha histórica da ligação de Cerveira à produção vitivinícola, numa viagem ao longo de 800 anos, registando que a primeira grande referência documental é na Idade Média. Entre as várias caraterísticas relatadas, o vinho produzido em Vila Nova de Cerveira tinha um preço elevado, indicador de um “produto bom e sólido, com exportação”.