Passar para o Conteúdo Principal

Castelo de Cerveira com futuro à vista

Imgg 8711 1 980 2500
2016/09/28

O Castelo de Cerveira integra o conjunto de 30 imóveis públicos degradados que o Governo quer recuperar para concessionar a privados, conferindo-lhes uma utilização de âmbito turístico. O anúncio foi feito, esta manhã, pelo Governo durante a apresentação do programa de valorização do património intitulado Revive. Autarca cerveirense revela uma enorme satisfação pela dignificação da história do concelho e pelo desenvolvimento futuro daquela que é a “joia da coroa” do concelho.

“É um desbloquear de um processo que já se arrastava há sete anos e que ganha uma evolução muito positiva ao nível identitário e económico para Vila Nova de Cerveira. O anúncio desta medida, e a respetiva integração do Castelo de Cerveira como um dos imóveis prioritários de intervenção, deixa-nos extremamente satisfeitos, a nós enquanto Município, mas com toda a certeza, à comunidade cerveirense no geral”. É desta forma que o edil cerveirense reage ao programa Revive divulgado pelo Governo, esta quarta-feira, em Coimbra, e ao impacto para Vila Nova de Cerveira.

Fernando Nogueira acredita que, “além da requalificação do imóvel do Castelo com enorme valor histórico-patrimonial, quer pelo ícone em que se transformou quer pela localização idílica, esta medida irá contribuir para a valorização de Vila Nova de Cerveira, colocando aquele conjunto edificado ao serviço dos cerveirenses, da economia local e dos inúmeros turistas que elegem o Castelo como um dos ex-libris do concelho”.

O objetivo da autarquia cerveirense passa pela cedência da exploração, a título oneroso, por um prazo alargado, daqueles espaços, no qual pretende implementar um ambicioso projeto de reconversão. “Ao longo destes anos de impasse, o Castelo de Cerveira suscitou um grande interesse de vários grupos particulares nacionais e estrangeiros e que com este programa pode ter uma concretização. O Programa Revive envolve várias entidades, o que comprova a atenção para com o património e a sua utilização em prol da economia local e nacional, como de enorme potencial turístico-cultural”, diz o autarca.

Ainda no início desta semana, dois representantes do Turismo de Portugal deslocaram-se a Cerveira para uma visita técnica ao Castelo, nomeadamente através da recolha de imagens e vídeo, e a realização de uma avaliação prévia do imóvel. Fernando Nogueira aguarda que estes desenvolvimentos culminem com o Castelo de Cerveira a “recuperar finalmente o seu esplendor e dignidade que merece”.

O programa Revive, articulado pelos ministérios da Economia, Cultura e das Finanças, e liderado pelo Turismo de Portugal, visa concessionar a privados 30 imóveis históricos que se encontrem degradados, para que sejam recuperados e possam acolher projetos diferenciadores de âmbito turístico. Numa primeira fase, que deverá decorrer até ao final do ano, irão ser concessionados 12 edifícios, encontrando-se entre eles o Castelo de Cerveira.

A história presente do Castelo de Cerveira é algo intermitente. No final da década de 70, as edificações do seu interior foram adquiridas pelo Estado junto de particulares e da autarquia, transformando-as numa Pousada de conceito histórico. Sob gestão da Pousadas de Portugal e, posteriormente, concessionada ao Grupo Pestana, a Pousada, constituída por restaurante, bar e 29 quartos, era muito requisitada. No entanto, em 2009, o Grupo Pestana abandona a exploração e devolve aquela infraestrutura ao seu proprietário, o Estado. Desde então, a degradação e os atos de vandalismo, que têm delapidado o que resta do seu recheio, impõem-se à beleza e à história.